(21) 2334-0830

Pesquisa

2018 – Atual
O Arquivo Mira y López: organização e catalogação inicial de documentos

Descrição: O presente projeto se propõe a debruçar-se sobre Emilio Mira y López (1896-1964), uma personagem relevante e altamente visibilizada na historiografia da Psicologia no Brasil. No entanto, procura fazê-lo de uma forma metodológica não usual, através de documentação que compõe o arquivo pessoal de Emilio Mira y López e Alice Galland de Mira ? sua esposa e principal colaboradora na criação do Psicodiagnóstico Miocinético (PMK). Tais arquivos foram doados pela família em 2016 para o acervo do Clio-Psyché – Laboratório de História e Memória da Psicologia (UERJ), de forma ainda bruta e sem catalogação. Assim, propomos a catalogação e análise de tais documentos..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (3) .

Integrantes: Filipe Degani-Carneiro – Integrante / Ana Maria Jacó-Vilela – Coordenador / Gabriel Gomes de Sousa – Integrante / Leticia Oliveira Silva – Integrante / Luiza Miranda Mello e Silva – Integrante.

2017 – Atual
O investimento católico da psicologia no Brasil e o fechamento do instituto de Psicologia: de problemas filosóficos à impactos institucionais

Descrição: Esta pesquisa tem por objetivo aprofundar as investigações a respeito da relação entre o fechamento do instituto de psicologia, instituição fundada na década de 1923 e chefiada por Waclaw Radecki (1887 – 1953), e o investimento católico posterior na psicologia no Brasil. Pesquisas anteriores a respeito deste tema indicaram uma relação entre os dois eventos, sendo a evidência de maior um artigo intitulado “O instituto oficial de psychologia” (1932) de autoria de Alceu de Amoroso Lima (1893 – 1983), renomado intelectual católico do século XX. Além de ter sido publicado no mesmo ano do fechamento do Instituto, o autor critica duramente a abertura de tal instituição, expondo críticas de ordem filosófica e política. Logo após o ocorrido, registros indicam um movimento de investimento católico significativo no ensino superior no Brasil; este investimento foi acompanhado por um investimento também na psicologia, uma vez que o primeiro curso de psicologia foi criado efetivamente em uma universidade católica. Dada estes fatos, este trabalho oferece uma pesquisa acerca da produção do instituto de psicologia a partir da análise dos trabalhos publicados nos anais de da colônia de psicopatas do engenho de dentro (1928 – 1936). Além disto, expõe um levantamento sobre investimento institucional católico posterior.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado: (1) .

Integrantes: Wilk Farias Nobre – Integrante / Ana Maria Jacó-Vilela – Coordenador

2016 – Atual
Arte e cuidado na Colônia Juliano Moreira: contribuições para o uso de atividades artísticas no campo da saúde mental

Descrição: Na antiga Colônia Juliano Moreira (CJM), instituição psiquiátrica localizada em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, há algumas décadas a arte vem estabelecendo um elo com os saberes psi. As práticas ali desenvolvidas não são tão conhecidas como as que tornaram, por exemplo, o trabalho da psiquiatra Nise da Silveira prestigiado internacionalmente. Porém, a valorização do trabalho artístico nesta instituição tornou-se tão significativa que hoje ela abriga o Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea (mBRAC). A história deste museu foi objeto de minha dissertação de mestrado no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), onde busquei compreender o papel deste equipamento cultural no contexto da Reforma Psiquiátrica. Ao longo da pesquisa, constatei que, décadas antes de o museu ter sido criado, existiu um ateliê de pintura na instituição que funcionava como uma das diversas atividades praxiterápicas lá oferecidas, o que comprova que a presença da arte na CJM, apesar de ainda pouco investigada, tem longa data. É por essa razão que desenvolvo, agora no doutorado, uma pesquisa voltada a compreender a função da arte nesta instituição, traçando um panorama dos usos que foram feitos dela pelos saberes psi. Este trabalho de investigação histórica tem como ponto de partida a década de 1950 e visa efetuar um levantamento das experiências que dialogaram com a arte até os dias atuais. A hipótese sobre a qual este trabalho se debruça é a de que, ao longo dessas décadas, foram múltiplos os modos de apropriação do fazer artístico pelos saberes psi na CJM. Cabe, portanto, a partir desta hipótese, perguntar: o conhecimento que emerge desta tradição de entrecruzamento entre a arte e os saberes psi na CJM possui fundamentos teóricos e práticos regulares e consistentes o suficiente que permitam circunscreve-lo de maneira singular? Por ora, o levantamento realizado aponta para a presença de múltiplos saberes que parecem não se alinhar em uma corrente de pensamento, evidenciando projetos múltiplos e díspares que tem como única conexão o próprio fazer artístico. A ausência de estudos sobre os usos da arte na CJM torna esta pesquisa fundamental para compreender de que outras formas ela vem dialogando com os saberes psi no Brasil para além daquelas experiências mais conhecidas. Quando se trata da relação entre arte e saberes psi no Rio de Janeiro, é comum fazer uma associação imediata com o trabalho realizado por Nise da Silveira no Museu de Imagens do Inconsciente, no Engenho de Dentro. Porém, como dito, existiu aqui outra experiência ainda pouco conhecida, mas que já possui também uma longa duração. É no período em torno da década de 1950 que aparecem os primeiros indícios do uso de atividades artísticas na CJM enquanto ferramenta terapêutica. No ano de 1950, o Brasil foi convidado para participar da Exposição de Arte Psicopatológica, realizada durante o I Congresso Internacional de Psiquiatria, em Paris. Para este evento, foram enviados 395 pinturas e desenhos provenientes do Centro Psiquiátrico Nacional, no Rio de Janeiro, do Hospício do Juquery, em São Paulo e da CJM. No mesmo ano, foi realizada na própria CJM a I Exposição de Pinturas e Arte Feminina Aplicada, que se tornou uma mostra permanente nos anos que se seguiram. No panfleto que divulga a exposição, lê-se claramente que a função terapêutica das atividades artísticas seguia a lógica do ajustamento, tendo como principal método o incentivo à cópia e à reprodução. Como pode ser verificado nos números do Boletim da Colônia Juliano Moreira, a instituição participou ainda de outras exposições pelo Brasil, enviando quadros pintados por pacientes no serviço do setor de praxiterapia denominado de Colmeia de Pintores. Não há dados ainda que indiquem quando este serviço se iniciou e até quando funcionou. No entanto, sabe-se que, na década de 1980, estas p.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.

Integrantes: João Henrique Queiroz de Araújo – Coordenador.

2015 – Atual
DO HOSPÍCIO DE PEDRO II AO HOSPITAL NACIONAL DE ALIENADOS: CEM ANOS DE HISTÓRIAS (1841-1944)

Descrição: a consulta a novas fontes primárias traz para este projeto de pesquisa sediado no DEPES/COC/Fiocruz uma articulação importante entre desenvolvimento de investigações históricas e preservação de acervos documentais do antigo Hospício, os quais se encontram sob a guarda de quatro de suas instituições herdeiras: o Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IPUB-UFRJ); o Instituto Municipal de Assistência à Saúde Nise da Silveira (IMASNS?SMS-RJ), o Instituto Municipal de Assistência à Saúde Juliano Moreira (IMASJM?SMS-RJ) e o Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico Heitor Carrilho (SDM/HCTPHC). Além destas, contamos com a colaboração de instituições responsáveis pelo patrimônio histórico e cultural pesquisado: o Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro (AGCRJ) e o Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (4) / Especialização: (1) / Mestrado acadêmico: (2) / Doutorado: (1) .

Integrantes: Cristiana Facchinetti – Coordenador / Ana Maria Jacó Vilela – Integrante / Flávio Edler – Integrante / Monique Siqueira Gonçalves – Integrante / José Roberto Reis – Integrante / ANNA BEATRIZ DE SÁ ALMEIDA – Integrante / LAURINDA ROSA MACIEL – Integrante / Ana Teresa Acatauassú Venancio – Integrante / Carlos Eduardo Freire Estellitta-Lins – Integrante / Marilene Rosa Nogueira da Silva – Integrante / Beatriz Kushnir – Integrante / Daniele Correa Ribeiro – Integrante.
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Auxílio financeiro.

2015 – 2017
Entre Psicologia Científica, moral e senso comum: a Psicologia nas instituições no Rio de Janeiro.1930-1960

Descrição: Este projeto se propõe, dando continuidade à investigação anterior, investigar como ocorreu a recepção da psicologia científica no Rio de Janeiro entre os anos de 1930 e 1960. Parte-se de uma afirmativa presente em manuais de história da psicologia de uso corrente entre nós de que o behaviorismo foi a principal abordagem teórica na década de 1930. Vimos, na investigação sobre as cátedras de psicologia e a Igreja Católica, que esta observação não tem respaldo em nossa realidade. Contudo, outro dado encontrado, a constante interrelação entre teorias e práticas da “psicologia científica” com uma psicologia oriunda do senso comum e, mesmo, moral, nos levou a propor esta continuidade, voltada especificamente para a Igeja Católica e as Forças Armadas. Visa-se assim uma historiografia da psicologia que dê relevo à produção nativa, à produção própria do país..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (3) / Mestrado acadêmico: (1) .
Integrantes: Ana María Jacó Vilela – Coordenador / Wilk Farias Nobre – Integrante / Dayse de Marie Oliveira – Integrante / Pedro Terra Abreu – Integrante / Maíra de Souza Cerqueira dos Anjos – Integrante / Leda Alves Duarte – Integrante.
Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ – Auxílio financeiro / Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Bolsa / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Auxílio financeiro.

2014 – Atual
A produção de saberes e práticas psi no museu da Colônia Juliano Moreira

Descrição: O presente projeto visa levantar que tipos de saberes psi, formulados pela Psiquiatria e pela Psicologia, estiveram presentes na criação do Museu Bispo do Rosário Arte Contemporânea e compreender que tipo de mudanças promoveram no campo da saúde mental ao dialogarem com a prática museológica. Inicialmente chamado de Museu Nise da Silveira, este museu foi fundado em 1982 e encontra-se em funcionamento até hoje no Instituto Municipal de Assistência à Saúde Juliano Moreira (antiga Colônia Juliano Moreira), no bairro de Jacarepaguá, no município do Rio de Janeiro. Projeto de dissertação de mestrado..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.

Integrantes: João Henrique Queiroz de Araújo – Coordenador.

2013 – 2016
Técnicas, saberes e práticas na construção dos modos de ser e fazer no Rio de Janeiro de 1850 até 1950

Descrição: O presente projeto tem por objetivo investigar os diferentes modos de desenvolvimento e aplicação dos saberes psicológicos no Rio de Janeiro entre 1850 e 1950, descrevendo e analisando as técnicas que estiveram na base das práticas psicológicas e engendraram tecnologias psi. Técnicas, saberes e práticas esses que eram voltados ora para a medição e avaliação de ensino e aprendizagem, ora para a classificação clínica de indivíduos, ora para o aprimoramento profissional do trabalhador na indústria. Trata-se, conseqüentemente, tanto de levantar métodos de diagnóstico, avaliação e terapêuticas, quanto de investigar processos históricos da constituição da educação. Para isto, busca-se articular e explorar as relações entre os diferentes saberes e práticas compartilhados, analisando o modo pelo qual o pensamento psicológico progressivamente se definiu na relação com os demais campos científicos e técnicos brasileiros e se inseriu no contexto de modernização industrial e urbana do país…
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (3) / Mestrado acadêmico: (2) .

Integrantes: Cristiana Facchinetti – Integrante / Ana Maria Jacó Vilela – Integrante / Francisco Portugal – Integrante / Alexandre de Carvalho Castro – Coordenador.

2013 – 2014
Políticas de avaliação das publicações na América Latina e no Caribe e seus impactos na disseminação da ciência

Descrição: As particularidades históricas da América Latina e do Caribe exigem estudos que considerem as especificidades locais na análise das políticas científicas desta região. Marcada pela dependência econômica e tecnológica, historicamente, a América Latina e o Caribe têm se esforçado para participar da ciência mundial. Especificamente sobre a comunicação científica, o crescimento do volume da produção de conhecimento (notadamente, sob a forma de artigos publicados em periódicos científicos) tem repercutido na qualidade das publicações. Ao mesmo passo, essa região tem conseguido catalogar essa produção qualificada em bases de dados que têm contribuído para garantir a visibilidade da ciência periférica. Para aferir as características das publicações, os países têm implementado sistemas de avaliação de itens de conteúdo e normalização, avalizando a qualidade de suas produções científicas. Dentre os critérios mais relevantes para a avaliação dos periódicos estão o sistema de avaliação por pares e a indexação em bases de dados.O objetivo desta pesquisa é caracterizar as políticas de avaliações das publicações científicas nos países da América Latina e do Caribe e o impacto decorrente das mesmas. Para isso, será realizada uma pesquisa documental em sites das agências governamentais de regulação e fomento à ciência e tecnologia da América Latina e do Caribe, em que se recolherá informações sobre os critérios utilizados na avaliação dos periódicos científicos; a valorização da indexação e do acesso aberto; a equivalência desses critérios com os utilizados pelos indexadores; e as exigências para o fomento de publicações.As informações serão organizadas e examinadas, a fim de sistematizar as políticas de avaliação científica da região, permitindo análises acerca da qualidade da comunicação científica e sua circulação e impacto no circuito internacional..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Doutorado: (2) .

Integrantes: Filipe Degani-Carneiro – Integrante / Ana Maria Jacó-Vilela – Integrante / Regina Lúcia Monteiro Henriques – Integrante / Mônica da Costa Pereira Lavalle Heilbron – Integrante / Glaucio José Marafon – Coordenador / Keyla Mafalda de Oliveira Amorim – Integrante / Nathalia da Silva Ávila – Integrante / Nádia Pimenta Lima – Integrante / Silvia Dias Pereira – Integrante.
Financiador(es): Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais – Bolsa.

2011 – 2013
Configurações da relação entre o campo protestante e a Psicologia no Brasil

Descrição: Este trabalho se volta à análise histórica da interrelação entre dois sistemas discursivos sobre a subjetividade humana: um religioso (protestantismo) e outro acadêmico (psicologia). Desde a Reforma, o protestantismo adota um discurso fortemente ?psicologizado? e, nas últimas décadas, observa-se um grande investimento protestante na Psicologia, seja como profissão leiga, seja como subsídio a atividades ministeriais. Tal investimento tem suscitado recentemente embates com os órgãos reguladores da profissão (como o Conselho Federal de Psicologia), como visto em recentes casos registrados pela mídia: o dos ?pastores psicanalistas? e o ?caso Rozângela Justino? sobre tratamento de homossexuais. Estes embates evidenciam, a nosso ver, que a relação entre esses dois campos está eivada de preconceitos de ambos os lados. Partindo desta problemática atual, pretende-se realizar levantamento histórico do investimento protestante sobre os saberes ?psi?, levando em conta a heterogeneidade do campo protestante e suas diferentes perspectivas sobre a Psicologia, tendo por objetivo fornecer subsídios para os debates éticos atualmente em curso sobre a intersecção entre crença religiosa e atuação profissional em Psicologia..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Mestrado acadêmico: (1) .

Integrantes: Filipe Degani-Carneiro – Coordenador / Ana Maria Jacó-Vilela – Integrante / Daiane de Souza Mello – Integrante / Guilherme de Souza Andrade – Integrante.

2011 – 2013
Tramas femininas na Belle Époque carioca: entre anarquistas e espíritas

Descrição: O presente estudo investiga os discursos dos movimentos espírita e anarquista sobre a mulher e se justifica pela lacuna encontrada em trabalhos que tratam da participação feminina em ambos. Especialmente, analisa-se a possível relação entre eles e sua contribuição para o desenvolvimento de modos alternativos da constituição feminina, diferentes dos discursos hegemônicos, representados pela medicina e pela Igreja Católica, no período inicial da República, no Rio de Janeiro. Segundo a perspectiva aqui adotada, escrever uma história em que o gênero seja colocado como uma categoria de análise leva a uma releitura da história, evidenciando o gênero como elemento constituinte das relações sociais, baseado nas diferenças percebidas entre os sexos e, por outro lado, uma forma primordial de significar as relações de poder. Espiritismo e anarquismo guardam uma singularidade: ambos apresentavam discursos sobre a mulher destoantes dos hegemônicos. Em seus pressupostos, encontra-se uma postura diferenciada em relação à mulher, na qual a ideia da igualdade entre os sexos assume um papel relevante, não seguindo a tendência de atribuir às mulheres um lugar de submissão e silêncio. No período estudado, a mulher passava a ocupar papel central nos discursos médicos e religiosos, levada a uma posição de destaque enquanto esposa e mãe, guardiã da missão de educar os futuros cidadãos da nação, tendo, por isso sua conduta normalizada e controlada. Por outro lado, os pressupostos do espiritismo acerca da mulher, em oposição aos discursos médico e católico, se justificam através da crença na reencarnação. Logo, não seríamos homens ou mulheres e, sim, estaríamos como tais, entendendo-se que, para a evolução completa ?intelectual e moral? do ser humano teríamos que vivenciar ambas as experiências ?feminina e masculina ?, uma vez que os espíritos não tem sexo. Não se aceita, assim, o ?determinismo sexual?, justificativa do discurso médico que tornaria ?natural? a desigualdade de direitos, pa.
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Mestrado acadêmico: (1) .

Integrantes: Maria Cláudia Novaes Messias – Coordenador / Ana Maria Jacó-Vilela – Integrante.
Financiador(es): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Bolsa.

2011 – 2015
Psicologia e Instituições: A Psicologia nas Forças Armadas, na Igreja Católica e nas Cátedras no Rio de Janeiro entre 1930 e 1960

Descrição: Este projeto se propõe a investigar as teorias, métodos e campos em que se situava o saber psicológico no Rio de Janeiro entre os anos de 1930 e 1960 tendo em vista que a literatura internacional considera este o período de maior presença do comportamentalismo, conforme aparece, por exemplo, em manuais para uso didático. Trata-se de uma análise oriunda em países considerados do “centro” da produção do conhecimento e que a extrapolam, etnocentricamente, para os demais países. Visando uma historiografia da psicologia que faça justiça à produção nativa, à produção própria do país, o objetivo do projeto é, pois, contrapor o que se fazia no período no Rio de Janeiro com o que se fazia principalmente nos Estados Unidos. Pretende-se não investigar a Educação, visto que a interseção entre Psicologia e Educação já tem sido bem discutida por historiadores de ambas as disciplinas. A perspectiva é investigar um dos campos sobre os quais temos somente indícios, quais sejam as Forças Armadas, indícios, sinais: Forças Armadas, as cátedras de Psicologia, o campo religioso..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (5) / Doutorado: (2) .
Integrantes: Ana María Jacó Vilela – Coordenador / Marcela Franzen – Integrante / Patrícia Yoshimy da S. Kajishima – Integrante / Filipe Degani – Integrante / Igor Teo Rodrigues – Integrante / Luiz Eduardo Veras Lopes Pontes – Integrante / Beatriz Lima Costa – Integrante / Wilk Farias Nobre – Integrante / Denise Alcantara FErraz – Integrante / José Henrique Lobato – Integrante / Thais Lins – Integrante / Bruno Barreto – Integrante / Dayse de Marie Oliveira – Integrante.
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Bolsa / Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Auxílio financeiro / Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ – Auxílio financeiro.
Número de produções C, T & A: 5 / Número de orientações: 8

2011 – Atual
Histórias da Psicologia no Brasil

Descrição: Este projeto objetiva investigar a emergência, o florescimento, a autonomização e a institucionalização de diferentes aspectos do campo dos saberes e práticas psicológicos no Brasil, notadamente a partir da chegada da Corte portuguesa ao país, em 1808. Neste sentido, enfatiza as condições históricas que propiciaram uma ou outra vertente do referido campo, as lutas, contradições e ambiguidades presentes..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Doutorado: (4) .
Integrantes: Ana María Jacó Vilela – Coordenador / Maria Claudia Novaes Messias – Integrante / João Henrique Queiroz de Araújo – Integrante / Maira Allucham Goulart Naves Trevisan Vasconcellos – Integrante / Dayse de Marie Oliveira – Integrante / Juberto Souza – Integrante.
Número de produções C, T & A: 15 / Número de orientações: 4

2008 – 2010
Mulher e Psicologia na primeira metade do século XX no Rio de Janeiro: entre educar e ser educada

Descrição: Projeto em continuidade com o anterior que visava investigar a contribuição feminina no processo de constituição da psicologia no Brasil e no qual foi possível avaliar esta presença no século XIX, através do discurso médico e higiênico, e a partir da década de 1950, através da participação massiva de mulheres no exercício profissional. Resta verificar a primeira metade do século XX no que tange principalmente ao entrelaçamento de psicologia e e ducação via mulheres/mães/professoras. A metodologia é documental, centrando-se principalmente na Biblioteca Nacional e nos Arquivos dos Institutos de Educação do Rio de Janeiro e de Niterói..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (7) .

Integrantes: Maria Cláudia Novaes Messias – Integrante / Ana Maria Jacó-Vilela – Coordenador / FILIPE DEGANI CARNEIRO – Integrante / Daiane Souza Mello – Integrante / Livia Siliprandi Ferreira – Integrante / Camilla Felix Barbosa – Integrante / Willian Sérgio de Jesus Lucas – Integrante / Patricia Yoshimy da Silva Kajishima – Integrante.

2006 – 2010
Memória e História da Psicologia no Brasil: o caleidoscópio institucional

Descrição: A proposta deste projeto é dar continuidade ao trabalho desenvolvido anteriormente pelo GT de História da Psicologia da Anpepp em parceria com o Conselho Federal de Psicologia e que redundou no Dicionário Biográfico da Psicologia no Brasil – Pioneiros. Desde a realização deste, o projeto de elaboração de outro volume – o Dicionário de Instituições da Psicologia no Brasil – passou a fazer parte da agenda do GT. Assim, atendendo á demanda do CFP, propomos agora a elaboração deste segundo volume, cuja temática serão as instituições brasileiras em que se desenvolveram práticas relativas à psicologia. Pensamos o novo Dicionário como uma forma de registrar e caracterizar as diferentes instituições relevantes para a emergência da psicologia no Brasil (período anterior à institucionalização do campo via a criação dos cursos universitários e a regulamentação da profissão do psicólogo), bem como para sua consolidação e expansão, período que se estende de meados da década de 1960 à década de 1980, no escopo do qual se chega a mencionar, em nosso país, a presença de uma “cultura psicológica” . O Dicionário de Instituições da Psicologia no Brasil deverá ser útil, portanto, não apenas aos estudiosos em história da Psicologia, ou a psicólogos, mas igualmente constituir um documento relevante quanto à formação da cultura brasileira. O trabalho pretende refletir o estágio da pesquisa em História da Psicologia no país, buscando evidenciar o desenvolvimento da ciência psicológica em suas relações com outras áreas de conhecimento e de atuação. Cabe ainda ressaltar que, sob esta ampla rubrica “instituições”, entendemos que devem ser construídos verbetes a respeitos de estabelecimentos, associações, sociedades, bem como de congressos, periódicos, revistas, além de toda a legislação pertinente á emergência, constituição e expansão da Psicologia no Brasil..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (0) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .
Integrantes: Ana María Jacó Vilela – Coordenador / Heliana de Barros Conde Rodrigues – Integrante / Regina Helena de Freitas Campos – Integrante / Maria do Carmo Guedes – Integrante / Nádia Maria Dourado Rocha – Integrante / Silvia Carvalho Josephson – Integrante / Alexandre de Carvalho Castro – Integrante / Francisco Teixeira Portugal – Integrante.
Financiador(es): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Cooperação / Conselho Federal de Psicologia – Outra.

2005 – 2007
Mulher e Psicologia: entre mulheres inventadas e inventoras na Psicologia brasieira (1830-1962)

Descrição: Pesquisa anterior, envolvendo a contribuição de médicos e católicos para a constituição e autonomização da psicologia no Brasil, apontou para uma relação bem mais complementar que conflitiva entre aqueles dois campos. Entendida por ambas as vertentes estudadas como o lugar onde a subjetividade se produz, a família e seus processos reprodutivos são objeto constante do interesse dos médicos. Neste processo, atenção especial é dedicada à mulher que, na compreensão católica, era uma propriedade do patriarca, que deve vigiá-la atentamente porque representa uma possibilidade de desvio, de erro. No século XIX, no afã de modernização do país, que passa necessariamente pela melhoria das condições de higiene das cidades, da vida pública e privada – os médicos inventam um outro papel para a mulher: o de responsável pelo lar. Esta nova subjetividade feminina, que mantém as características de submissão, agora se refere a outras instâncias que não o patriarca – a Deus, conforme a norma sociocultural; à sociedade, conforme se deduz da busca pelo êxito em seu papel na gerência educativa do lar, visível através do modo regrado de comportamento de seus filhos e esposo. Um projeto médico que faz parte da higienização da vida cotidiana, uma das fórmulas para “sanar um país doente”. Um projeto também classificatório, porque destinado às mulheres brancas, inicialmente às das famílias latifundiárias, depois às das classes médias emergentes. Mas que não está separado da ideologia cristã, na medida em que nesta, a mulher ocupa um lugar ambíguo, entre Maria e Madalena. É neste contexto que, no início do século XX, se mesclam as duas vertentes – surgem os grupos de “Damas de Caridade”, senhoras da “boa sociedade” que se dedicam a “fazer o bem”, normalmente através de vinculação a instituições filantrópicas dirigidas por homens. Logo, porém, outras opções se apresentam à mulher, possibilitando-lhe a presença no espaço público. Destacamos as primeiras mulheres que se dedicam à psicologia, ain.
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (6) / Especialização: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (1) .
Integrantes: Ana María Jacó Vilela – Coordenador.
Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ – Auxílio financeiro / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Bolsa.

2003 – 2005
A psicologia no brasil – Dois séculos de história: Constituição, Automação, institucionalização.

Descrição: Este projeto foi desenvolvido no período de março de 2003 a fevereiro de 2005, por duas professoras: Ana MAria Jacó-Vilela e Heliana de Barros Conde Rodrigues vinculadas ao Programa de Estudos e Pesquisas em História da Psicologia – Clio-Psyché, programa este pertencente ao programa de Pós- Graduação em Psicologia Social e, através das inserções deste, a UERJ. A elas se juntou a professora Ariane Patricia Ewald, pois se pensava em sua inserção no refetido programa. Este projeto recebeu, no período , uma bolsa de produtividade em pesquisa, concedida á professora Ana Maria Jacó-Vilela – inicialmente no nível 2b, depois reclassificada como 2 – e duas bolsasa de iniciação científica, que ficaram confiadas a estudadntes de psicologia da UERJ, sob a orientação das professoras Ana MAria Jacó-Vilela..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) / Especialização: (0) / Mestrado acadêmico: (0) / Mestrado profissional: (0) / Doutorado: (0) .
Integrantes: Ana María Jacó Vilela – Coordenador / Heliana de Barros Conde Rodrigues – Integrante / Ariane Patrícia Ewald – Integrante.
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – Bolsa.

2001 – 2003
A constituição da psicologia no Brasil: católicos e médicos

Descrição: A proposta deste projeto é investigar a contribuição dos campos médico e católico para a constituição da psicologia como saber autônomo no Brasil, mais especificamente no Rio de Janeiro, a partir da análise dos discursos e práticas desses dois grupos de atores. Para isto, utilizamos como recorte temporal o período que vai da chegada da Corte portuguesa ao Brasil, em 1808, até a data de regulamentação da profissão e dos cursos de psicologia, em 1962. Pesquisa anterior teve, a respeito, efeito serendipity – ao apontar aspectos desconhecidos da psicologia no Brasil, indicou novos caminhos de investigação. Percebemos assim ser necessária uma retomada da questão do século XIX ? a discussão alma versus corpo -, através das formas de seu aparecimento no século XX: tanto via os discursos e práticas católicos quanto através dos diferentes dispositivos da instituição médica (seus cursos, periódicos, a opinião de seus catedráticos). Ao nos propormos a investigar, então, os diferentes discursos psicológicos em nossa sociedade, no século XIX e primeira metade do século XX, pretendemos verificar as articulações e rupturas com as concepções antropológicas de pessoa, notadamente o surgimento do modo indivíduo de subjetivação, e a forma como, a partir desses discursos, foi possível a autonomização da psicologia como saber e prática sobre o homem, este indivíduo moderno. Neste sentido, o projeto está inserido no Projeto Integrado intitulado ?A institucionalização dos saberes psicológicos no Brasil (Rio de Janeiro): uma contribuição à concepção antropológica de Pessoa ocidental moderna?, coordenado pelo professor Luiz Fernando Dias Duarte, do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFRJ (PPGAS/UFRJ)..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Ana María Jacó Vilela – Coordenador.

1999 – Atual
CONSERVAÇÃO E AMPLIAÇÃO DE UM ACERVO HISTORIOGRÁFICO DA PSICOLOGIA NO BRASIL

Descrição: Considerando que História não é apenas uma série de fatos passados mas uma construção contínua, por se referir a uma sociedade sempre em movimento, a importância de seu estudo se situa na possibilidade de compreensão dos saberes e práticas atuais, iluminando nossas perspectivas futuras. Essa visão da História é o que motiva o CLIO-PSYCHÉ no campo da pesquisa histórica da Psicologia no Brasil, no qual vem desempenhando um importante papel. Conseguimos implementar ao longo dos anos um acervo bastante significativo, quantitativa e qualitativamente, e bem diversificado, cujo acesso certamente é de interesse de professores, alunos, pesquisadores, historiadores, tanto da UERJ quanto de outras instituições. Por isso mesmo, acreditamos na importância de nosso projeto de conservação e contínua ampliação do acervo, pois assim, estamos conservando fontes importantes não só para a memória social como para a investigação atual e futura de pesquisadores diversos..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (1) / Especialização: (1) / Mestrado profissional: (1) .
Integrantes: Ana María Jacó Vilela – Coordenador / Charles William Mello – Integrante / Isis Pereira Coutinho – Integrante.
Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ – Auxílio financeiro / Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Bolsa.

1997 – 2004
Preservando a memória da psicologia

Descrição: Esta pesquisa tem como objetivo principal desenvolver dispositivos para a preservação da memória da Psicologia no Brasil através da identificação e resgate de sua produção bibliográfica em diversos momentos históricos. A coleta de dados relativos a uma certa área é de suma importância. Porém, o simples dado coletado pode ser de pouca ou mesmo nenhuma utilidade se não for possível apreender dele algo, ou seja, extrair uma informação. Para tanto, faz-se necessária uma organização destes dados, bem como de seu modo de coleta e armazenamento. Neste sentido, o objetivo geral do projeto é levantar e caracterizar a memória da Psicologia no Brasil do final do século XIX a meados dos anos sessenta do século XX, e criar dispositivos para sua preservação. Levantamento bibliográfico da produção psi brasileira do início do século XIX até a década de 60 do século XX, período, portanto, compreendido entre a a chegada da Corte portuguesa ao Brasil e a regulamentação da profissão e dos cursos de Psicologia. Pretende-se, a partir da caracterização do material levantado, identificar descritores para construção de Bases de Dados com fins de preservação do que foi coletado, tornando disponível, via internet, o material organizado. Este projeto esteve inserido, em sua fase inicial, no Projeto Integrado intitulado ?A institucionalização dos saberes psicológicos no Brasil (Rio de Janeiro): uma contribuição à concepção antropológica de Pessoa ocidental moderna?, coordenado pelo professor Luiz Fernando Dias Duarte, do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFRJ (PPGAS/UFRJ) e contou com a participação do bolsista de apoio Técnico (Faperj e, posteriormente, UERJ) Antônio Carlos Cerezzo de Almeida..
Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Ana María Jacó Vilela – Coordenador / Antônio Carlos Oliveira de Almeida Cerezzo – Integrante.
Financiador(es): Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do RJ – Bolsa / Sub Reitoria de Pós Graduação e Pesquisa – Bolsa.

1996 – 1998
A constituição da psicologia como saber autônomo: o caso brasileiro

Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Ana María Jacó Vilela – Coordenador.

1990 – 1991
Pscoterapia: uma prática de anarquismo

Situação: Concluído; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Graduação: (2) .
Integrantes: Ana María Jacó Vilela – Coordenador.